sábado, 24 de abril de 2010

Padrão



Conheço uma rua

onde há um azulejo no chão.

No meio do nada,

sem ter razão.

Estará ele no lugar errado?

Claro que não.

Errada é a nossa incapacidade

de enxergar as coisas fora do padrão.

9 perdidos por aqui:

Estrela vespertina...turbulenta! disse...

Essa nossa falta de clareza sobre as coisas simples e inexplicavéis da vida!!!
beijos vespertinos!
parabéns pelo post e pelo blog.

angela disse...

Ficou bem bonito e tem toda razão quanto a nossa incapacidade de enxergar as coisas fora do usual
beijos

Ivana Marisa Altafin disse...

Mesmo que às vezes demore um pouquinho, você é uma das únicas pessoas que eu não me importo de esperar, porque já sei o que você trás na bagagem cada vez que você se apresenta aqui. Um grande abraço!

Ana Lúcia Porto disse...

Oi Karina,

Voltou rimando... Muito bom seu poema...

Você é uma graça, mocinha... Gosto de ler os seus comentários. E você, além de comparecer, avisa que já pôs tudo em dia e que apesar da ausência, voltou e se interagiu do necessário. Garota atenta...!!

Beijos e que a sua semana lhe seja bastante inspiradora...,

Rodrigo Cavaleiro disse...

Bem curioso, que rua é essa?
Gostei do "poeminha", ainda arrisco-me a dizer....
Você é um azulejo para nós que gostamos de ler!

=)
Beijo no pé...

Ana Lúcia Porto disse...

Outrossim, fico contente por gostar do novo visual de meu blog, afinal, faço pensando em agradar vocês todos, os meus queridos amigos...

Beijos,

Cristiano C M disse...

O chão rachou e o azulejo não...rsrs
visitem:
xangrilahcity.blogspot.com

Francine Ramos disse...

Que legal, flor!! Você fazendo poesia! Adorei, faça mais :)

Um beijo

Uma hipérbole disse...

Deixamos mesmo escapar os detalhes. Até quando percebemos, falhamos na compreensão!

Um abraço

 
Header Image by Colorpiano Illustration